Edição nº 1015 20.04 Ver ediçõs anteriores

Dinheiro para guerra

Dinheiro para guerra

Poucos discordam que as escolhas do Sr. Trump são sempre, para dizer o mínimo, estarrecedoras. E não apenas no plano político, como também no campo econômico. A última delas não fugiu ao figurino. Dando vazão ao seu pendor belicoso, o presidente dos EUA acaba de anunciar uma robusta ampliação do orçamento militar, da ordem de US$ 54 bilhões. Trata-se do maior montante – que deve alcançar um total de assombrosos US$ 650 bilhões no ano – poucas vezes gasto pelos americanos ou por qualquer outra nação em tempos de paz. Trump fez – é claro! – a alegria da indústria armamentista e ganhou apoios inclusive entre a população conservadora de seu País, que faz gosto nos investimentos em segurança. Para o mundo, a atitude representou um desatino.

O governo do showman empresarial pretende cortar verbas da assistência internacional e de proteção ao ambiente para os novos dispêndios militares. Sua justificativa, para não fugir ao discurso eleitoral, é o combate sistemático aos grupos extremistas. Trump envereda por uma vertente perigosa de relacionamento com o mundo que pode levá-lo ao isolamento gradativo. A alta histórica na verba de defesa parece induzir a ideia de que o Sr. Trump se prepara para uma guerra. A fatia direcionada a armamentos especiais é a maior delas. A parte reservada para aumento de tropas combatentes vem a seguir.

Ainda não está claro qual pode ser o impacto no déficit dessa, digamos, nova coqueluche de Trump. O certo é que movimentos como esse, somados a construção de um muro na fronteira com o México e outros dispêndios excêntricos, não estavam na conta alinhavada com o Congresso e terão de passar agora por seu crivo. No afã belicista da era Trump, os EUA também estudam abandonar o órgão de direitos humanos da ONU, revertendo uma decisão tomada em 2009 por Obama, quando o País aderiu ao conselho criado pelas Nações Unidas. No caminho que parece pregar uma auto suficiência em todos os sentidos, a política comercial dos americanos passou a apostar num incremento de medidas protecionistas desastrosas, ignorando decisões consagradas na OMC.

Na agenda enviada ao Congresso, Trump sugere, por exemplo, a preferência por acordos bilaterais em detrimento dos multilaterais e a revisão de negociações globais como a do Nafta. Um retrocesso tremendo que já provocou reclamações sobre a legitimidade de tais escolhas, não apenas por parte dos parceiros como também através de representantes da própria Organização Mundial do Comércio. Entrou em pauta na OMC a aplicação de penalidades por eventuais violações. Se era briga o que Trump procurava, ele já começou a achar. E isso vai levar muito mais dinheiro do que ele pensa.

(Nota publicada na Edição 1008 da Revista Dinheiro)

Mais posts

Juros fora do tom

Se há um instrumento da política monetária completamente distorcido em relação às atuais circunstâncias da economia são as taxas de [...]

A revolução em prol do mercado

Em meio à devastação das delações da Odebrecht está em curso dentro do Congresso o mais profundo e amplo conjunto de reformas e ações [...]

Sabotagem à reforma

Está mais do que na hora de os empresários se engajarem também, e de maneira ativa, na reforma da previdência. É um tremendo absurdo o [...]

Mordidas inevitáveis

A distinção entre fim de benefícios e aumento da carga tributária é, na cabeça dos empresários, nenhuma. Ambas as medidas corroboram o [...]

O ataque político à previdência

Não é por falta de entusiasmo do mercado que o Brasil não decola e segue em frente. A julgar pelos novos sinais e apostas dados na [...]
Ver mais

Recomendadas