Edição nº1011 24.03 Ver edições anteriores

Dinheiro para guerra

Dinheiro para guerra

Poucos discordam que as escolhas do Sr. Trump são sempre, para dizer o mínimo, estarrecedoras. E não apenas no plano político, como também no campo econômico. A última delas não fugiu ao figurino. Dando vazão ao seu pendor belicoso, o presidente dos EUA acaba de anunciar uma robusta ampliação do orçamento militar, da ordem de US$ 54 bilhões. Trata-se do maior montante – que deve alcançar um total de assombrosos US$ 650 bilhões no ano – poucas vezes gasto pelos americanos ou por qualquer outra nação em tempos de paz. Trump fez – é claro! – a alegria da indústria armamentista e ganhou apoios inclusive entre a população conservadora de seu País, que faz gosto nos investimentos em segurança. Para o mundo, a atitude representou um desatino.

O governo do showman empresarial pretende cortar verbas da assistência internacional e de proteção ao ambiente para os novos dispêndios militares. Sua justificativa, para não fugir ao discurso eleitoral, é o combate sistemático aos grupos extremistas. Trump envereda por uma vertente perigosa de relacionamento com o mundo que pode levá-lo ao isolamento gradativo. A alta histórica na verba de defesa parece induzir a ideia de que o Sr. Trump se prepara para uma guerra. A fatia direcionada a armamentos especiais é a maior delas. A parte reservada para aumento de tropas combatentes vem a seguir.

Ainda não está claro qual pode ser o impacto no déficit dessa, digamos, nova coqueluche de Trump. O certo é que movimentos como esse, somados a construção de um muro na fronteira com o México e outros dispêndios excêntricos, não estavam na conta alinhavada com o Congresso e terão de passar agora por seu crivo. No afã belicista da era Trump, os EUA também estudam abandonar o órgão de direitos humanos da ONU, revertendo uma decisão tomada em 2009 por Obama, quando o País aderiu ao conselho criado pelas Nações Unidas. No caminho que parece pregar uma auto suficiência em todos os sentidos, a política comercial dos americanos passou a apostar num incremento de medidas protecionistas desastrosas, ignorando decisões consagradas na OMC.

Na agenda enviada ao Congresso, Trump sugere, por exemplo, a preferência por acordos bilaterais em detrimento dos multilaterais e a revisão de negociações globais como a do Nafta. Um retrocesso tremendo que já provocou reclamações sobre a legitimidade de tais escolhas, não apenas por parte dos parceiros como também através de representantes da própria Organização Mundial do Comércio. Entrou em pauta na OMC a aplicação de penalidades por eventuais violações. Se era briga o que Trump procurava, ele já começou a achar. E isso vai levar muito mais dinheiro do que ele pensa.

(Nota publicada na Edição 1008 da Revista Dinheiro)

Mais posts

O ataque político à previdência

Não é por falta de entusiasmo do mercado que o Brasil não decola e segue em frente. A julgar pelos novos sinais e apostas dados na [...]

Gestão responsável dá lucro

Não é por falta de entusiasmo do mercado que o Brasil não decola e segue em frente. A julgar pelos novos sinais e apostas dados na [...]

A catástrofe de Dilma

Há uma lição preciosa e insofismável que os brasileiros devem aprender após passar pela pior recessão da história, uma catástrofe que [...]

Privatizar, a melhor alternativa

Vamos a algo elementar: que intuito move os manifestantes, em suas arruaças de pouca adesão, quando depredam o que veem pela frente e [...]

Euforia antecipada

O mercado começou a precificar seu otimismo com o futuro da economia. O que aconteceu na semana passada nos pregões da bolsa e nas [...]
Ver mais

Recomendadas

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.