Edição nº 1037 22.09 Ver ediçõs anteriores

De olho na performance e na produtividade alheias

Conheça a Micropower, empresa que cresceu atuando na área de treinamento, focado em resultados

De olho na performance e na produtividade alheias

Francisco Soeltl, sócio-fundador da MicroPower durante o Congresso Learning Perfomance, ocorrido em SP

As Universidades Corporativas surgiram nos Estados Unidos, na década de 1950, para equalizar a formação dos funcionários das empresas com o aprendizado acadêmico. Já naquele período, o gap entre a teoria e a prática, além do “jeito diferenciado” de atuação de muitas empresas, começou a ser visto como uma ameaça ao seu crescimento. Especialmente no caso de negócios disruptivos que, na prática, inventaram setores como o de refeição fast food (McDonald’s) e logística de entregas de pacotes porta a porta (Fedex).

Mas este modelo acabou sendo vítima do processo de esgotamento. Afinal, a profusão de universidades corporativas mostra que o instrumento se transformou numa panaceia, sem que tenha contribuído, de forma decisiva, para a melhoria da produtividade, por exemplo. Especialmente no Brasil, que comumente ocupa a rabeira deste índice em termos globais.

Leia também: Brasil ocupa a antepenúltima posição em Ranking Mundial de Competitividade

O que é um problema considerado estrutural, se tornou um campo de trabalho para o matemático, ex-executivo de grandes empresas e graduado em TI pelo MIT Francisco Antonio Soeltl, fundador da MicroPower. A empresa paulistana, fundada em 1994, vem se firmando como uma das mais ativas no segmento de treinamento. Tanto que obteve crescimento anual médio de 14%, nos últimos cinco anos. “O novo conceito de treinamento leva em conta a gestão da performance, não apenas a formação de lideranças”, diz ele.

Congresso Learning & Performance Brasil 2017 debateu experiências e mecanismos de melhoria da produtividade

Para Soeltl, um dos grandes equívocos dos empresários é estabelecer programas pouco transparentes em seus objetivos finais e sem levar em conta recompensas ao longo do trajeto. “No meio do processo, os funcionários acabam entrando numa espécie de zona de conforto e fazemo que consideram melhor, da forma que acreditam ser mais apropriada”, destaca.

Mais do que apenas vender softwares e soluções, como o Virtual Vision ou o Performa, a MicroPower atua na evangelização do mercado, chamando a atenção para os benefícios da gestão da performance. Algumas dessas ferramentas foram apresentadas na segunda-feira 28, em São Paulo, durante o Congresso Learning & Performance Brasil 2017. Trata-se de um evento destinado a debater experiências e mecanismos de melhoria da produtividade e da gestão das empresas.

Uma passada pelos cases apresentados, e premiados, durante o Congresso dão a dimensão de que estas questões estão cada vez mais entronizadas nos departamentos de Recursos Humanos de corporações líderes em suas áreas de atuação, como o Bradesco, a General Motors, a Honda e a Vivo, para citar algumas. “As transformações causadas pela tecnologia no mundo da educação e do trabalho vão exigir que os profissionais adquiram novas competências a cada dia”, destaca o empreendedor.

 

 

 


Mais posts

A inovação que brota em qualquer lugar

Bancorbrás, empresa criada por ex-servidores do Bacen e do BB, reforça sua vertente socioambiental

Questão de cuidado

Easy Care Saúde aposta na onda dos aplicativos (app) que gerenciam serviços de atendimento médico

Mulher ao volante! Que ótimo

Empreendedora aposta em transporte de passageiros exclusivo para mulheres

Proibido para menores de 50 anos

Conheça a startup MaturiJobs, agência de empregos virtual que aposta em talentos da terceira idade

Em busca da conexão Salvador-EUA

Empreendedor brasileiro costura estratégias para unir investidores afro-americanos e brasileiros por meio de projetos de tecnologia
Ver mais