Edição nº 1028 21.07 Ver ediçõs anteriores

Terapia a galope

Terapia a galope

O hipismo é um esporte muito ligado à vida luxuosa da elite. Ser dono de um cavalo é, desde sempre, um sinal de riqueza e sucesso. Esse animais cobiçados, no entanto, estão ganhando um nova função na sociedade: a de terapeutas. A equoterapia é um método que utiliza o cavalo para acelerar o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiências físicas, intelectuais, sociais e emocionais. A técnica vem ganhando espaço em diversos haras e hípicas do Brasil. A Afei (Associação Filantrópica de Equoterapia de Ibiúna), criada por Márcia e Mayara Verde, do Centro Hípico Recanto Galícia, no interior de São Paulo, atende gratuitamente 15 crianças e adultos com enfermidades como autismo, paralisia cerebral e Doença de Parkinson. A entidade quer ampliar os atendimentos sociais e oferece a empresas e pessoas físicas a possibilidade de se “adotar” uma criança. Por R$ 600 por mês é possível custear todo o tratamento e o valor doado por ser deduzido do Imposto de Renda. A equoterapia recebeu mais um estímulo em dezembro. A Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou uma proposta do ex-senador Flavio Arns para regulamentar esse tipo de terapia como método de reabilitação. O texto aprovado agora seguirá para o Plenário do Senado.

(Nota publicada na Edição 1000 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Os benefícios da economia social

A administração do presidente americano Donald Trump propôs uma redução nos investimentos em ajuda humanitária a países estrangeiros. [...]

Empregos renováveis

O total de pessoas empregadas no mercado de energias limpas chegou a 8,3 milhões, em 2016, segundo levantamento feito pela Irena, [...]

Risco hídrico

Até o final do ano, uma em cada quatro pequenas empresas no Brasil pode ser afetada pela falta d’água. A conclusão é de um levantamento feito pelo Sebrae. Os Estados da Paraíba, do Ceará, de Sergipe e do Espírito Santo são os que oferecem maior risco hídrico. Entre os setores, lavanderias, lava jatos, salões de […]

Ativista: profissão perigo

O Brasil é o País mais perigoso do mundo para ambientalistas, segundo ranking publicado pela ONG Global Witness. No ano passado, 49 [...]

A elite da poluição

Apenas 100 companhias foram responsáveis por 71% das emissões de gases do efeito estufa, no mundo, entre 1988 e 2015. A conclusão é de [...]
Ver mais