Edição nº 1036 15.09 Ver ediçõs anteriores

Ford elétrica

Ford elétrica

A decisão da Ford, segunda maior montadora dos Estados Unidos, de cancelar a construção de uma fábrica no México, anunciada na terça-feira 3, parece uma vitória do presidente eleito Donald Trump, crítico da exportação de postos de trabalho americanos. Pode ser, mas não por completo (leia mais na pág. 24). Há outros motivos para a mudança de ideia da Ford, que não estão exatamente alinhados com as políticas de Trump. No mesmo dia que anunciou a desistência, o presidente da empresa, Mark Fields, revelou um plano de investimentos de US$ 4,5 bilhões no setor de carros elétricos e autônomos, pelos próximos cinco anos. Os planos incluem o lançamento de uma versão híbrida (elétrica e a combustão) da picape F-150, veículo mais vendido na categoria e um ícone do consumo desenfreado de petróleo. A fabricação de veículos compactos a gasolina, que era o objetivo da fábrica mexicana, deverá ficar em segundo plano.

(Nota publicada na Edição 1000 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Milho ou cana-de-açúcar?

Na hora de abastecer o carro, a dúvida de qual combustível escolher é recorrente para a grande maioria dos brasileiros. Por um lado, a [...]

Desmatamento diminui

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) concluiu na última semana os trabalhos de medida da área de desmatamento da [...]

A ilha do lixo

Aquela garrafa pet, lata de refrigerante ou sacola de supermercado que acaba indo para bueiros e ralos têm causado grandes problemas a [...]

“A qualidade da água é comprometida pela legislação”

O nível de pureza das águas que saem pelas torneiras dos brasileiros sempre será inferior à qualidade observada em países da Europa e [...]

Furacão? É melhor ir se acostumando

Os estragos causados pelo furacão Irma no Caribe e na Flórida, na semana passada, foram assustadores e impressionantes. A tormenta [...]
Ver mais