Edição nº 1036 15.09 Ver ediçõs anteriores

À espera de definições

A instabilidade política e as incertezas quanto à força do governo atual e às suas intenções para o setor de saúde está atrasando o desenvolvimento no Brasil do setor de biossimilares, os medicamentos cópias de remédios biológicos. A Orygen Biotecnologia, uma das duas joint ventures criadas por laboratórios brasileiros para desenvolver no País esse mercado, ao lado da Bionovis, aguarda definições mais firmes de como serão as compras governamentais, antes de iniciar a produção de seus produtos, diz o seu CEO, o inglês Andrew Simpson. A companhia, formada pela Eurofarma e pela Biolab, contava também em sua fundação com a participação da Cristália e da Libbs, que saíram para investir no nicho por conta própria. Em dezembro de 2016, a Libbs se tornou a primeira companhia brasileira a produzir biossimilares. “A Libbs foi muito corajosa em já construir a sua fábrica, porque as parcerias público-privadas ainda não foram assinadas”, diz Simpson. “Não digo que seja um investimento perigoso, mas dependendo do governo as definições podem mudar. Então, estamos entrando no mercado de vacinas, que é mais previsível.”

(Nota publicada na Edição 1000 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Luís Artur Nogueira e André Jankavski)


Mais posts

Por uns trocados a mais

Nos fins de semana e feriados, uma fila de helicópteros tem se formado para pousar na praia de Maresias, no litoral de São Paulo, [...]

Sonho americano

O projeto do empresário Chaim Zaher, dono do grupo SEB, de montar uma escola no Vale do Silício ganhou força. Na semana passada, Zaher [...]

Tornozeleira com boleto

Depois que a operação Lava Jato revelou os esquemas de corrupção em todas as esferas de poder e passou a condenar corruptos e [...]

Charge da semana: Lula

(Nota publicada na Edição 1036 da Revista Dinheiro)

De olho nas cidades

A Mastercard, uma das maiores empresas de meios de pagamento do mundo, encontrou mais um nicho de mercado para popularizar o uso do [...]
Ver mais