Edição nº 1036 15.09 Ver ediçõs anteriores

A engenharia reversa da Hyundai

A engenharia reversa da Hyundai

A indústria automobilística não vive o melhor de seus dias, é verdade, mas nem todos estão chorando a retração do mercado brasileiro. Nos corredores da coreana Hyundai, por exemplo, o clima é de festa. A marca fechou 2016 na quarta colocação do ranking nacional, um feito inédito na história. Nas últimas quatro décadas, Volkswagen, Fiat, Ford e GM se acotovelaram nas quatro primeiras posições. O diretor de vendas da Hyundai Brasil, Angel Martinez, atribui o feito ao desempenho da família HB20, modelo lançado há apenas cinco anos, e da vocação da marca para as linhas SUV, com Tucson, ix35 e Santa Fé. “Nosso segredo é fazer diferente dos outros, fazer o inverso da maioria”, afirma o executivo. Martinez se refere à estratégia de, em vez de simplificar os carros para ficarem mais baratos, oferecer automóveis mais bem equipados. “É importante saber que vende-se carros duas vezes: no ato da venda e no pós-venda. Consumidor insatisfeito nunca mais compra.”

(Nota publicada na Edição 1000 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Luís Artur Nogueira e André Jankavski)


Mais posts

Por uns trocados a mais

Nos fins de semana e feriados, uma fila de helicópteros tem se formado para pousar na praia de Maresias, no litoral de São Paulo, [...]

Sonho americano

O projeto do empresário Chaim Zaher, dono do grupo SEB, de montar uma escola no Vale do Silício ganhou força. Na semana passada, Zaher [...]

Tornozeleira com boleto

Depois que a operação Lava Jato revelou os esquemas de corrupção em todas as esferas de poder e passou a condenar corruptos e [...]

Charge da semana: Lula

(Nota publicada na Edição 1036 da Revista Dinheiro)

De olho nas cidades

A Mastercard, uma das maiores empresas de meios de pagamento do mundo, encontrou mais um nicho de mercado para popularizar o uso do [...]
Ver mais