Edição nº1011 24.03 Ver edições anteriores

Ou o Brasil acaba com os juros, ou os juros acabam com o Brasil

Ou o Brasil acaba com os juros, ou os juros acabam com o Brasil

Duas notícias: uma ruim e uma boa. A ruim é que, pelo quarto ano consecutivo, as vendas de automóveis no País caíram em 2016. Pelos cálculos da Fenabrave, a associação que representa as concessionárias de veículos, foram emplacados 2.050.327 carros, caminhões e ônibus no Brasil, no ano passado, uma queda de 20,19% na comparação com 2015. Para se ter ideia do tamanho da encrenca, esse resultado é semelhante ao que foi registrado dez anos atrás. Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., essa situação é resultado de uma tempestade perfeita, em que se destacam os juros altos, o desemprego e a falta de confiança do consumidor. A boa notícia é que, ao que tudo indica, a situação vai parar de piorar.

As vendas de veículos caíram 20,19% em 2016. O que explica uma nova queda tão forte do mercado?
A economia. O ano foi conturbado e a questão política deteriorou ainda mais o combalido ambiente econômico. Os juros altíssimos, o desemprego e a falta de confiança do consumidor. Tudo isso resultou nesse resultado tão baixo.

A Fenabrave prevê um crescimento de 2,32% em 2017. Isso significa que o setor já bateu no fundo do poço?
Nós temos uma crença muito grande de que já batemos no fundo do poço. Essa previsão é baseada em alguns pontos positivos da economia. Estamos saindo de uma queda do PIB de 3,5%, em 2016, para a projeção de expansão de 1% neste ano. Trata-se de um ritmo lento de reação, mas é um start para a volta dos indicadores positivos. Além disso, a frota brasileira é muito velha e precisará ser renovada, independentemente de aquisição para aumento de frota. Muitas aquisições foram postergadas nos últimos dois ou três anos. Acredito que, agora, elas terão de ocorrer.

Com a crise, o consumidor está mais receoso em tomar crédito, ou os bancos estão evitando conceder financiamentos? 
O banco está no seu direito de ter um maior rigor. O alto nível de desemprego e a desconfiança na capacidade de pagamento geram isso. Até mesmo quem está empregado corre o risco de perder o emprego, o que gera riscos aos bancos. Então, tanto o consumidor não está tomando empréstimo, quanto o banco não empresta.

Todas as categorias de veículos estão sofrendo o mesmo problema?
Os carros de menor valor estão sofrendo mais com a dificuldade de aprovação dos financiamentos, infelizmente.

Qual a sua expectativa para a taxa de juros neste ano?
Ou o Brasil acaba com os juros, ou os juros acabam com o Brasil. Como a inflação está sob controle, voltando para dentro dos limites do teto da meta, conseqüentemente há espaço para redução dos juros. Nossa crença é que, até o final deste ano, esteja na casa de um dígito.

(Nota publicada na Edição 1000 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Luís Artur Nogueira e André Jankavski)


Mais posts

Como a Visa está se transformando em uma empresa de tecnologia

Desde agosto do ano passado, quando assumiu a presidência da Visa no Brasil, o executivo Fernando Teles passou a trabalhar [...]

Charge: carne forte

(Nota publicada na Edição 1011 da revista Dinheiro, com colaboração de: Márcio Kroehn)

O novo investimento da Barilla

A marca italiana Barilla está investindo na importação de um novo produto para o mercado brasileiro: os tradicionais biscoitos Mulino [...]

Rouba monte

A crise econômica tem feito as grandes gestoras especializadas em administrar fortunas familiares (wealth management) se estapearem pelo dinheiro disponível no mercado. “Virou um trabalho de rouba monte”, diz um conhecido gestor, ao explicar o nível em que chegou a competição entre as empresas do setor. (Nota publicada na Edição 1011 da revista Dinheiro, com […]

Estou saindo!

A grife francesa Longchamp está saindo do Brasil. E não se trata apenas da crise. Quem conhece o mercado atesta sem sombra de dúvida: [...]
Ver mais

Recomendadas

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.