Edição nº 1019 19.05 Ver ediçõs anteriores

Amos Genish, ex-Telefônica, assume cargo na francesa Vivendi

Ele será o novo Chief Convergence Officer do grupo francês Vivendi 

Amos Genish, ex-Telefônica, assume cargo na francesa Vivendi

Genish tem dito a pessoas próximas que está voltando para casa ao assumir cargo na Vivendi

O ex-presidente da Telefônica Brasil, Amos Genish, revelou, enfim, seu destino. Ele será o novo Chief Convergence Officer do grupo francês Vivendi.

De acordo com um comunicado, o executivo ficará sediado entre Paris e Londres – esta última cidade foi onde fixou residência a partir de janeiro deste ano. 

A Vivendi é uma das principais acionistas da Telecom Italia, controladora da TIM Brasil. O blog BASTIDORES DAS EMPRESAS apurou que existe uma cláusula de não competição da Telefônica Brasil por conta dessa relação.

Com a nova função, Genish volta a trabalhar com a Vivendi, que comprou por R$ 7 bilhões a GVT, operadora fundada por ele, em 2009.  “Estou voltando para casa”, tem dito Genish, para pessoas próximas.

Com a venda da GVT para a Telefônica, num negócio de R$ 22 bilhões, em setembro de 2014, o grupo francês Vivendi deixou o negócio de telefonia no Brasil.

Genish, que assumiu o comando da Telefônica Brasil, no entanto, nunca se afastou do grupo francês. Ele sempre foi próximo dos executivos da Vivendi, em particular de Vincent Bolloré, chairman do grupo de mídia francês.

Quando vendeu a GVT para a Telefônica, Genish já havia recebido proposta para trabalhar no grupo Vivendi. Ele também era cogitado para assumir a problemática Oi, que hoje está em processo de recuperação judicial, com dívidas de R$ 65 bilhões.

Na ocasião, preferiu ficar no Brasil, onde é casado com uma brasileira e tem dois filhos, para fazer a integração da GVT com a Telefônica.

Na nova função, Genish vai lidar com a convergência de conteúdo da Vivendi com redes de telefonia e plataformas digitais. “Quero criar um modelo de negócios inovador, como a AT&T e a Time Warner”, tem falado o executivo a pessoas próximas, fazendo referência à bilionária fusão das duas gigantes americanas, anunciada em outubro de 2016.

À frente da Telefônica Brasil, Genish já apostava pesado na convergência. Ele dizia que a companhia precisava se adaptar aos novos tempos. Com isso, sua estratégia era criar aplicativos que pudessem ser baixados pelos clientes da operadora em diversas áreas.

“Não podemos continuar a fazer o negócio do mesmo jeito, pois o mundo está mudando”, disse Genish, em entrevista realizada em 2015“Precisamos pensar como uma empresa digital e isso muda os tipos de serviços como oferecemos.”

Na Vivendi, Genish terá, agora, a oportunidade de fazer esse trabalho numa escala global.


Mais posts

Empresas brasileiras perdem R$ 219 bilhões em valor de mercado

As empresas cotadas na B3 perderam R$ 219 bilhões em valor de mercado nesta quarta-feira 18, segundo um levantamento feito pela [...]

Por que São Paulo deixou o ranking das melhores cidades para criar uma startup

A crise econômica e política, que se desenrola desde o fim 2014, fez mais uma vítima. São Paulo, que já foi uma das 20 melhores cidades [...]

IPO da Netshoes mostra que Brasil está longe de gerar seu primeiro unicórnio

A abertura de capital da varejista online de artigos esportivos Netshoes na Bolsa de Nova York (Nyse) é um marco para as startups [...]

Positivo segue Apple e muda nome

Quando lançou o iPhone, em 2007, a Apple resolveu tirar a palavra Computer de seu nome. Optou por acrescentar apenas Inc. Afinal, a [...]

Tesla transforma-se na fabricante de carros mais valiosa dos EUA

O centro do mercado automobilístico americano mudou-se de Detroit, conhecida como “Motor City”, para o Vale do Silício, na Califórnia. [...]
Ver mais