Edição nº 1031 11.08 Ver ediçõs anteriores

Inovação da Cidade Baixa ao Pelourinho

Conheça a iniciativa Vale do Dendê, escritório de negócios que pretende agitar a Economia Criativa, em Salvador 

Inovação da Cidade Baixa ao Pelourinho

Paulo Rogério (à esq.) e Rosenildo, sócios do Vale do Dendê (foto: Fafá Araújo/Divulgação)

Nos últimos anos, a região Nordeste vem experimentando taxas de crescimento muito acima da média nacional. De acordo com dados do IBGE, no período 2002-2010, o crescimento do PIB per capita nos estados dessa porção do Brasil foi de 3,12%, ante os 2,22% do Sudeste. De fato, algo digno de nota. Contudo, mesmo neste ambiente de bonança muitos dos problemas estruturais persistem. Um deles é a dificuldade dos agentes públicos, e da sociedade em geral, em fazer com que as melhorias beneficiem a todos. Este quadro é ainda mais desafiante em Salvador.

Apesar de conhecida internacionalmente por sua música, sua culinária e suas belezas naturais, a capital da Bahia carece de iniciativas, em larga escala, capazes de democratizar o acesso às suas riquezas. Isso acontece, de acordo com o professor Hélio Santos, doutor em administração e membro do Conselho do Fundo Baobá, devido à combinação de dois fatores: a opção por um modelo de desenvolvimento incapaz de gerar empregos de alta qualificação e a persistência do racismo estrutural.

O que faz com que tanto os soteropolitanos da base da pirâmide, quanto os mais abonados migrem para o eixo Rio-São Paulo-Brasília em busca de melhores oportunidades.  Na visão de Santos, quaisquer alterações neste quadro dependem da soma de esforços. “Sem a união do poder público, da academia (universidades e outros centros de saber), do setor privado e da população não será possível mudar esta situação”, diz.

A fala do veterano ativista, nascido em Minas Gerais e radicado na capital da Bahia, deu o tom no seminário de lançamento da iniciativa Vale do Dendê, ocorrido na semana passada, em Salvador. O escritório de negócios – que tem entre seus fundadores Santos, o publicitário e empreendedor social Paulo Rogério Nunes e este colunista – surge com a missão de ajudar a criar estas pontes.

“Nossa ambição é trazer para a cidade empresas e projetos capazes de mudar o eixo de desenvolvimento, privilegiando as áreas mais excluídas”, destaca Nunes, pós-graduado em comunicação, jornalismo e novas mídias pela Universidade de Maryland e consultor do Berkman Center, da Universidade Harvard. O Vale do Dendê está sendo estruturado para atuar na viabilização de um ecossistema propício à inovação, nos moldes dos projetos que deram origem ao Vale do Silício, ao Porto Digital, em Recife, o Sapiens Parque, de Florianópolis, e o Ruta N, em Medellin.

Por conta disso, todo esforço nesta primeira fase será centrado em projetos e produtos inovadores, tendo como base as ferramentas de Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC). “De certa forma, Salvador já conta com um ambiente propício à inovação. Mas os projetos e os resultados vêm beneficiando quase que exclusivamente a parte mais rica da cidade”, explica Nunes.

Ele deixa claro que a intenção do trio não é concorrer ou mesmo substituir iniciativas exitosas tocadas por agentes públicos e privados. “Muito de nosso papel será o de articulação das experiências existentes”. Isso será feito especialmente em três vertentes nas quais a vocação da cidade é mais visível: moda, gastronomia e música; e onde as TICs podem se converter em importantes aliadas.

Num passeio pela bela periferia, formada pela Cidade Baixa e o Subúrbio Ferroviário, no qual Nunes nasceu e foi criado, é possível encontrar muitos empreendedores prontos para ganhar o mundo. Em muitos casos faltam apenas ferramentas de gestão e tecnologia para que eles coloquem seus produtos e serviços em escala global. “Nem sempre o maior obstáculo é a falta de recursos”, destaca.

Pelo fato de disporem de características profissionais e formações complementares, o trio Nunes-Ferreira-Santos se dividirá nas funções ligadas ao escritório Vale do Dendê. Enquanto Nunes cuidará da gestão do dia a dia, Ferreira permanecerá em São Paulo fazendo a interlocução com as empresas privadas e Santos fará a ponte com a academia e o segmento institucional.

O lançamento do Vale do Dendê se dá num momento importante para o desenvolvimento da Economia Criativa no Brasil, em geral, e em Salvador, em particular. Pesquisa da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) indica que a Economia Criativa movimenta R$ 110 bilhões por ano, no Brasil.

Por sua vez, a Prefeitura da capital baiana está concluindo uma série de levantamentos e pesquisas sobre o impacto destes negócios no PIB local. Se forem levadas em conta a criatividade e a inventividade dos soteropolitanos, este número deve ser gigantesco!


Mais posts

A inovação que brota em qualquer lugar

Bancorbrás, empresa criada por ex-servidores do Bacen e do BB, reforça sua vertente socioambiental

Questão de cuidado

Easy Care Saúde aposta na onda dos aplicativos (app) que gerenciam serviços de atendimento médico

Mulher ao volante! Que ótimo

Empreendedora aposta em transporte de passageiros exclusivo para mulheres

Proibido para menores de 50 anos

Conheça a startup MaturiJobs, agência de empregos virtual que aposta em talentos da terceira idade

Em busca da conexão Salvador-EUA

Empreendedor brasileiro costura estratégias para unir investidores afro-americanos e brasileiros por meio de projetos de tecnologia
Ver mais