Edição nº 1019 19.05 Ver ediçõs anteriores

Black Friday e o ativismo corporativo

Enquanto varejo e indústria no Brasil tentam reduzir os feitos da crise, nos Estados Unidos, empresas já usam a data para suas ações de ativismo corporativo

Black Friday e o ativismo corporativo

A Black Friday foi criada nos EStados Unidos para marcar o início das compras para o Natal com grandes promoções

Em tempos de crise, como a que vivemos neste interminável 2016, a adesão maciça do comércio à Black Friday é um ato de desespero. Lembra aquelas imagens de Serra Pelada no auge de sua exploração nos anos 1980. A busca insana por uma salvadora pepita de ouro.

Black Friday foi criada nos Estados Unidos para marcar o início das compras para o Natal com grandes promoções. Outros países ocidentais adotaram essa ação de marketing.

Por aqui, o comércio e a indústria de bens de consumo apegam-se a toda oportunidade de venda para tentar reverter o tombo do ano. A previsão para a queda do varejo ampliado, que considera também veículos e materiais de construção, pode chegar a 10% no ano, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. 

Em um cenário como esse, é ingênuo esperar que o ainda incipiente conceito de consumo consciente prevaleça no varejo brasileiro. Cabe mais a nós, consumidores, sermos coerentes com o que acreditamos. Afinal, você é aquilo que você consome – ou não consome.

Num mundo de tantas escolhas, consumir (ou não) pode ser uma decisão política. Algumas empresas já entenderam isso e utilizam a Black Friday como um marco do comportamento divergente – ou se preferir, de contracultura.

A rede de varejo REI, de roupas e equipamentos outdoor (para atividades na natureza), foi pioneira no ano passado ao decidir não abrir suas 149 lojas nos Estados Unidos, nem processar compras online, durante a Black Friday. O argumento foi o de que seus mais de 12 mil funcionários também tinham o direito a desfrutar do feriado de Ação de Graças (o mais importante do calendário americano) junto de seus familiares e em atividades ao ar livre.

Neste ano, a campanha #OptOutside foi mais longe: mobilizou 275 organizações e empresas para que estimulem as práticas ao ar livre durante a Black Friday, gerando guias e atividades para atrair milhões de pessoas aos parques nacionais. “Vamos fechar novamente neste ano porque fundamentalmente acreditamos que estar ao ar livre faz de nós melhores, mais saudáveis e felizes, fisicamente e mentalmente”, explicou o CEO Jerry Stritzke.

A lendária marca de roupas Patagonia não ficou atrás. Vai doar toda a receita (repito: toda a receita) das lojas e das vendas online durante a Black Friday para organizações que defendem o meio ambiente. A decisão foi tomada após a eleição de Donald Trump, que promete mudar o rumo das políticas ambientais norte-americanas.

“Se não agirmos corajosamente, mudanças severas no clima, poluição do ar e da água, extinção de espécies e erosão do solo são resultados garantidos”, afirmou em carta aberta a CEO Rose Marcario. A Patagonia já doa, como política, 1% de toda a sua receita anual para organizações ambientalistas.

No Brasil, o único exemplo conhecido ainda é tímido. A Natura anunciou que vai doar o dobro do lucro obtido com a linha Crer para Ver à iniciativas que contribuem para a melhoria do ensino público no Brasil, uma medida que intensifica a prática cotidiana do Instituto Natura. 

Estamos iniciando a era do ativismo corporativo. Os exemplos de REI e Patagonia são claros e demonstram que, cada vez mais, empresas abraçarão causas que alinham o impacto dos próprios negócios aos interesses e necessidades reais das pessoas. Nesse novo ambiente de relacionamento, a coerência e a firmeza de propósito formam a poderosa base para a construção da credibilidade das marcas de sucesso no futuro.


Mais posts

Todos queremos um novo estilo de vida

Se estamos divididos por classes sociais, pensamentos políticos ou visões de mundo geracionais, nos encontramos unidos pelo sentimento [...]

Como as delações da Odebrecht afetam sua empresa

O nível de confiança nas empresas já era baixo no Brasil e deverá cair ainda mais após o show explícito de corrupção

Atenção: o Dia Internacional da Mulher não terminou

Nada de rosas ou mensagens fofinhas, a hora é de encarar a desigualdade e até discutir cotas no mercado de trabalho

Quando o capital estará a serviço da economia real?

Discute-se o combate à pobreza, mas não a associam ao modelo concentrador de riqueza no qual o mercado de capitais é um mecanismo [...]

Ativismo humaniza e “descorporativiza” empresas

Defender causas como a diversidade, um mundo sem muros ou o cicloativismo conecta as companhias com a vida como ela é.
Ver mais