Edição nº 1019 19.05 Ver ediçõs anteriores

Shark Tank, mas pode chamar Jurassic Park

A ideia de colocar empreendedores e suas ideias diante de investidores vorazes realimenta conceitos envelhecidos sobre o mundo dos negócios

Shark Tank, mas pode chamar Jurassic Park

Chegou com sete anos de atraso à televisão brasileira o programa Shark Tank – Negociando com Tubarões, no canal por assinatura Sony, e essa defasagem torna os conceitos e mensagens sobre empreendedorismo uma espécie de Jurassic Park.

Para quem ainda não viu a versão brasileira ou a americana, a dinâmica do programa é simples: empreendedores apresentam seus produtos e serviços para uma banca de investidores. Há tensão e suspense. Desde a sabatina dos investidores, a eventual disputa pela compra de participação até a negociação sobre o valor da fatia do empreendimento a ser adquirida.

Tudo isso seria um bom entretenimento, se não tivesse apoiado e, sobretudo, replicasse um modelo mental que já não se encaixa na atual cena do empreendedorismo. A começar pelo estereótipo do investidor voraz, feroz, um tubarão capitalista. Nos dias de hoje, quantos empreendedores querem mesmo submeter seus sonhos e ideias a esse tipo de sócio?

É claro que esses investidores existem e seguramente dominam o mercado, mas o que se vê nesta década são empreendedores mais e mais mobilizados em função de um propósito, um negócio que tenha um significado maior do que simplesmente explorar um mercado e gerar um bom lucro. Sem ingenuidade, o dinheiro é necessário e muito bem-vindo, mas o entendimento de que ele é um fim em si deixou de ser um campeão de audiência.

Shark Tank segue a mesma linha de pensamento em declínio que sustentou o reality show O Aprendiz, apresentado nos Estados Unidos pelo candidato à presidência Donald Trump. Buscavam-se ali jovens profissionais com “sangue nos olhos” para serem bem-sucedidos no mundo dos negócios.

A banca de Shark Tank é formada por profissionais competentes, bem intencionados, que evidentemente são capazes de oferecer uma boa mentoria aos empreendedores sobre gestão, finanças e marketing, além de alavancar frentes como comércio digital, distribuição etc. O que falta é colocar tudo isso a serviço do mundo real, da solução dos verdadeiros problemas da sociedade, que não são poucos, e onde estão as oportunidades de negócios do futuro.

O primeiro episódio já foi esclarecedor: três investidores se apressaram a entrar no negócio de papinhas congeladas Gourmetzinho, sem questionarem muito a utilização de produtos orgânicos, procedência e possibilidade de ampliação do abastecimento; por outro lado, abriram mão de participar do Revo Foot, que desenvolve próteses ortopédicas a custo mais acessível. O motivo: o empreendedor usaria o recurso para também buscar a aprovação da Anvisa, o que pode demorar dois anos. Não se comoveram com a imensa lacuna de mercado, o benefício social, tampouco com a paixão de um jovem engenheiro já premiado pelo MIT.

grand finale do episódio foi o empreendedor que desenvolveu o produto Bosta em Lata, que se propõe a vender adubo orgânico para uso doméstico em latas de alumínio tipo leite em pó, com uma rotulagem bonitinha num design que me lembrou o espírito da marca de sorvetes Ben & Jerry’s. Ouviu críticas pelo fato da embalagem custar mais que o produto, não recebeu investimento, mas foi elogiado pela proposta divertida e sua capacidade de marqueteiro. Depois dessa, como não associar o nome do produto ao programa?


Mais posts

Todos queremos um novo estilo de vida

Se estamos divididos por classes sociais, pensamentos políticos ou visões de mundo geracionais, nos encontramos unidos pelo sentimento [...]

Como as delações da Odebrecht afetam sua empresa

O nível de confiança nas empresas já era baixo no Brasil e deverá cair ainda mais após o show explícito de corrupção

Atenção: o Dia Internacional da Mulher não terminou

Nada de rosas ou mensagens fofinhas, a hora é de encarar a desigualdade e até discutir cotas no mercado de trabalho

Quando o capital estará a serviço da economia real?

Discute-se o combate à pobreza, mas não a associam ao modelo concentrador de riqueza no qual o mercado de capitais é um mecanismo [...]

Ativismo humaniza e “descorporativiza” empresas

Defender causas como a diversidade, um mundo sem muros ou o cicloativismo conecta as companhias com a vida como ela é.
Ver mais