Edição nº 1019 19.05 Ver ediçõs anteriores

O que aprender com o caso do Rei do iPhone

Saiba como uma loja da Santa Ifigênia, em São Paulo, se transformou em um exemplo de como construir marcas na era digital 

O que aprender com o caso do Rei do iPhone

Rei do iPhone: post no Facebook teve 320 mil curtidas e 7 mil compartilhamentos

Um consumidor foi à Santa Ifigênia, na região central de São Paulo, tradicional redutor de lojas de eletrônicos, para consertar seu iPhone. No primeiro quiosque, um comerciante queria cobrar R$ 180 só para abrir o aparelho. No segundo, chamado de o Rei do iPhone, o vendedor observou o estado do smartphone e diagnosticou que o mesmo estava com um defeito simples.  Bastava uma simples limpeza para ficar “novo”.  E ele fez este serviço de graça, pedindo apenas para que cliente “falar bem do serviço”.

O consumidor, que se chama Caio Rossoni, postou a história no Facebook. E o que aconteceu foi surpreendente. O post teve 320 mil curtidas e 71 mil compartilhamentos. A loja do Rei do iPhone, na Santa Ifigênia, virou um sucesso.

O Rei do iPhone, na minha visão, foi o “Rei do Branding”. Ele não se deixou levar pela tentação de, como o colega comerciante, ganhar algum trocado sem trabalho. Certamente, poderia cobrar R$ 100, mas pensou no cliente. Foi orientado e engajado com o cliente.

Fez uma coisa certa ao solicitar que o cliente falasse bem dele. E com isso transformou aquele consumidor num cliente superleal, sem nenhuma “forçação de barra”, como é bastante comum.  Leal ao ponto de Rossoni emprestar seu nome ou sua “marca” para endossar e recomendar o Rei do iPhone. Com as redes sociais, o impacto foi gigantesco. Eu mesmo recebi no WhatsApp com um monte de mensagens do link.

Colocar o cliente em primeiro lugar é, sem dúvida, a melhor estratégia para todo o tipo de empresa. Ela vale para o Rei do iPhone ou para uma marca mais valiosa. Saber ter e reter consumidores que chegam ao ponto de expressar sua lealdade com a marca pode ser um grande diferencial competitivo e, certamente, uma grande oportunidade para as marcas. Vale a pena, então, aprender com o “Rei do Branding”.


Mais posts

Tecnologia: vilã ou mocinha?

Será que estarmos cada vez mais plugados traz impactos negativos para as marcas associadas às telecomunicações?

Quatro lições para construir a sua marca

Boa reputação da marca influencia velocidade do crescimento da empresa 

Quantas marcas preciso para otimizar o valor da minha empresa?

Outro dia, andando pela cidade, verifiquei algo que me chamou atenção. Além das inúmeras placas de [...]

Um diagnóstico sobre o ROI da comunicação

Como todos sabem, minha formação é muito ligada à área financeira. Sou engenheiro de produção [...]

Bradesco Next e Apple: o lado humano da experiência de marca

Recentemente foi publicado no jornal britânico Financial Times o ranking das marcas globais mais valiosas do mundo. No [...]
Ver mais