Edição nº 1019 19.05 Ver ediçõs anteriores

Acarajé apimentado e caro

A Operação Lava Jato ajuda a limpar o País, mas derruba a economia

Acarajé apimentado e caro

A Polícia Federal descobriu que os investigados utilizavam a palavra “acarajé” para se referir a dinheiro ilegal (foto: Divulgação)

Os brasileiros acordaram hoje com um acarajé quentinho na mesa do café da manhã. Não se trata, infelizmente, da iguaria baiana, mas do nome da 23ª fase da Operação Lava Jato, que teve como destaque o mandado de prisão temporária do publicitário (baiano, que coincidência) João Santana. O marqueteiro, que comandou as campanhas da presidente Dilma Rousseff e a campanha da reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006, está na República Dominicana, trabalhando na eleição local.

A Polícia Federal descobriu que os investigados utilizavam a palavra “acarajé” para se referir a dinheiro ilegal. De acarajé em acarajé, de pixuleco em pixuleco (outro nome utilizado para propina), a economia brasileira segue agonizando em profunda recessão. A consultoria GO Associados estima um impacto negativo médio da Operação Lava Jato sobre o PIB de 3,63 pontos percentuais, por ano. É como se toda a retração da economia em 2015 e em 2016 decorresse apenas dessas investigações.

Para chegar a esse resultado, a consultoria considerou as reduções nos planos de investimentos da Petrobras e no faturamento do setor da construção. No caso da estatal, o montante de US$ 206,8 bilhões (entre entre 2014 e 2018) caiu para R$ 98,4 bilhões (entre 2015-2019). Além disso, o impacto nas empresas que atuam em obras públicas chega a 30% do seu faturamento. “No intervalo 2015-2019, haveria uma subtração de R$ 284,2 bilhões no valor bruto da produção da economia, a perda de 3,64 milhões de empregos no mercado de trabalho, a redução de R$ 44,7 bilhões na massa salarial da economia e R$ 18,7 bilhões a título de impostos deixariam de ser arrecadados”, diz o relatório da GO Associados.

A própria consultoria reconhece que há limitações metodológicas nesse estudo. Além disso, o PIB avança ou retrocede devido a diversos outros fatores, como a crise política, a gestão da economia e o cenário internacional. Porém, o mais importante nesse caso é compreender que o combate à corrupção desenfreada que existia (ainda existe) no País tem um enorme custo econômico. Para quem perdeu o emprego, provavelmente seja um custo inviável. Porém, olhando o País como uma nação que precisa sair da lama, urgentemente, vale a pena o sacrifício. Afinal de contas, o acarajé está apimentado e caro. Mas, se for para limpar o Brasil, eu pago dobrado.     


Mais posts

Superávit comercial recorde e promissor

Na 3ª edição do quadro “Descomplicando a Economia”, na TV Dinheiro, analisei o saldo positivo da balança comercial neste ano

O desemprego vai piorar antes de melhorar

Na 2ª edição do quadro “Descomplicando a Economia”, na TV Dinheiro, comentei que a geração de postos de trabalho deve se intensificar apenas no 2º semestre

A greve em Brasília na visão de um jornalista-corredor

Em um circuito de seis quilômetros, incluindo a Praça dos Três Poderes, havia muita polícia, poucos manifestantes e nenhuma ideia nova

Os brasileiros merecem uma inflação menor

Na estreia do quadro “Descomplicando a Economia”, na TV Dinheiro, defendi a redução da meta de inflação para 2019

Inflação dentro da meta é vitória do novo BC

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, entregou uma inflação de 6,29% em 2016. Falta agora acelerar a queda dos juros

Ver mais