Edição nº 1019 19.05 Ver ediçõs anteriores

Dez passos para mudar o mundo

John Hawkins, mentor da Economia Criativa, lista as dez principais tendências de transformação das sociedades contemporâneas 

Dez passos para mudar o mundo

Em fórum, o consultor britânico John Hawkins explicou porque a propriedade intelectual é a moeda da nova economia

Em fórum no Centro Universitário Belas Artes, o consultor britânico John Hawkins, autor dos livros The Creative Economy (2001) e Creative Ecologies: Where Thinking is a Proper Job” (2014), explicou porque a propriedade intelectual é a moeda da nova economia e listou as dez principais tendências de transformação da vida e do trabalho.

1. A Economia Criativa é a (primeira?) economia baseada em pessoas, não na terra, no capital ou no trabalho;

2. O próximo estágio da globalização será impulsionado por curiosidade pessoal, não vendas;

3. O futuro é baseado nas cidades, não em países. Cidades do mundo tornam-se mais diversificadas, mais competitivas;

4. Tchau hierarquias, olá ecologias. Os governos perdem a liderança para as ecologias urbanas;

5. No curto prazo, governos serão seguidores, não líderes;

6. O meu trabalho é para mim, meu emprego é para outro. Gerenciar o próprio trabalho se torna mais importante;

7. Vamos compartilhar (ou não?). A escolha de trabalho depende de outras pessoas, e de onde podemos aprender mais rápido (clusters, incubadoras);

8. As pessoas não podem vender ideias sem fechar um negócio, por isso um conhecimento de direito dos contratos é fundamental;

9. A nuvem é invisível, corporativa e inflexível, de modo que cada vez mais queremos o pessoal, o artesanal, o texturizado, o local;

10. Qualidades pessoais (confiança) ganham da riqueza.
 


Mais posts

Usurpadores de ontem, investidores de hoje

Governo argentino usa a feira ARCOmadrid 2017 como marco de retomada de comércio e negócios com a Espanha
Paula Alzugaray

Sem decepções

Mesmo no contexto de uma das piores crises econômicas da história do Brasil, leilão supera expectativas

História da arte brasileira vai a leilão

Duzentos e catorze lotes da coleção de arte da massa falida do Banco Santos S.A. são leiloados esta semana em São Paulo

Masters e veteranos

Se nos EUA cai o interesse pelos grandes mestres do passado, no Brasil ainda é a arte moderna quem segura o mercado 

Reinventar a roda

SP-Arte abre em cenário de incertezas, enquanto galerias buscam novos modelos
Ver mais