Rss

Colunas

Moeda Forte

Os novos céus da Avianca

Nº edição: 734 | 28.OUT.11 - 21:00 | Atualizado em 18.Apr.14 - 13:42

A discreta companhia aérea Avianca, controlada pelo polêmico empresário colombiano German Efromovich, tem novos planos para o mercado brasileiro.

por Clayton Netz

Aviação comercial

A discreta companhia aérea Avianca, controlada pelo polêmico empresário colombiano German Efromovich, tem novos planos para o mercado brasileiro. O grupo colombiano Synergy, dono da empresa, que fatura cerca de US$ 4 bilhões por ano, deu sinal verde para a ampliação dos investimentos no País. A ideia é triplicar, em três anos, os 3,5% de fatia de mercado no Brasil e dobrar a frota de 26 aeronaves até a Olimpíada de 2016. A estratégia é fundamental para o conglomerado. A rentabilidade dos setores de engenharia e petróleo – os carros-chefes do grupo Synergy– está em queda em decorrência da retração da demanda nos EUA e na Europa.     
 
55.jpg
 
 
 
Lançamento

Saga de Stefanini vira livro
 
A saga de Marco Stefanini, um dos empreendedores brasileiros  mais bem-sucedidos do setor de tecnologia da informação,  é o tema do livro O filho da crise, obra de estreia do jornalista   Rogério Godinho.  Lançamento da editora  Matrix, o livro conta a trajetória de Stefanini, um geólogo de formação que construiu a Stefanini IT Solutions, a segunda companhia brasileira mais globalizada, de acordo com o ranking elaborado pela Fundação Dom Cabral, de Belo Horizonte. Com atuação em 28 países, a empresa baseada em São Paulo é  dona de um faturamento de R$ 1,2  bilhão por ano.
 
 56.jpg
 
 
 
Varejo

Havan chega a São Paulo
 
Conhecida pelo estilo arquitetônico peculiar, com lojas recheadas de colunas jônicas e dóricas, nas quais não faltam reproduções da estátua da Liberdade, a catarinense Havan, uma das maiores rede de lojas de departamento do Brasil, está desembarcando em São Paulo. A meta é abrir seis lojas no rico interior paulista. A primeira delas será aberta, em janeiro de 2012, em Presidente Prudente,  e ocupará uma área de quatro mil m², com investimento de R$ 15 milhões. No radar de Luciano Hang, fundador da Havan, aparecem cidades de norte a sul do País,  com mais de 500 mil habitantes. 
 
57.jpg
 
 
 
Construção civil

Missão na França 
 
Paulo Skaf, presidente da Fiesp, vai liderar uma missão de empresários da construção civil que participará da Batimat, a maior feira mundial do setor,  marcada para o período de 7 a 12 de novembro, em Paris. Na bagagem, a comitiva levará um estudo sobre as oportunidades oferecidas pelo Brasil, com o objetivo de atrair investidores internacionais. Segundo o trabalho, só na área de habitação, a construção de 27 milhões de moradias deverá gerar negócios da ordem de R$ 3 trilhões até 2022.
 
 
 
Varejo

A força do PET
 
A brasileira ML Group, que atua nos setores de saúde e de informática e comandada por Milton Lyra, está de olho nos cerca de R$ 11 bilhões movimentados pelo segmento de produtos para animais, o chamado mercado PET. A empresa pretende explorar a força de pontos de venda de conveniência, lojas de postos de combustíveis, videolocadoras e bancas de jornal, para vender um pacote contendo cerca de 50 artigos, de ração a coleira. Hoje, os produtos estão 500 PDVs e deverão chegar a dois mil,  até o final de 2012.
 
 
 
Escolinha do professor Tombini
 
58.jpg
 
 
 
Curtas
 
Nomes como Ram Charam, Clayton Christensen,  Rosabeth Moss Kanter,  Nouriel Roubini  e Armínio Fraga são as principais atrações da 11a edição da Expomanagement, que será realizada no período de 7 a 9 de novembro, no Transamérica Expo Center, em São Paulo.
 
Jeff Jervik,  CEO mundial da rede americana Fitness Together, anunciou, na semana passada,  que o grupo pretende abrir 124 academias nos próximos dez anos, no Brasil, pelo sistema de franquias. Segundo ele, o investimento chegará a R$ 41 milhões.
 
 

Colaboraram Hugo Cilo e Rosenildo Ferreira

A volta do samurai

Nº edição: 733 | 21.OUT.11 - 21:00 | Atualizado em 18.Apr.14 - 10:32

O empresário Rodolfo Nagai, ex-dono da rede Assaí, adquirida pelo Pão de Açúcar em 2007, está de volta ao setor de varejo.

por Clayton Netz

Aquisição

O empresário Rodolfo Nagai, ex-dono da rede de atacarejo Assaí, adquirida pelo Pão de Açúcar em 2007, está de volta ao setor de varejo. Ele comprou 33% da rede Ricoy,  das famílias Kinshoku e Yokoi, que até então dividiam o controle da empresa. Dona de 75 pontos de venda – 52 localizados na capital paulista, um no litoral e 22 no interior do Estado –, a Ricoy deve faturar R$ 1,5 bilhão em 2011. Apesar de adquirir uma participação minoritária, Nagai terá plenos poderes na gestão da companhia. Com poucos dias à frente do negócio, ele já trocou dois executivos. Os integrantes do clã que controlavam a Ricoy, fundada em 1994, agora vão se dedicar ao conselho de administração. O foco da rede Ricoy está no atendimento às classes C, D e E, atuando no formato de lojas de vizinhança.
 
46.jpg
 
 
 
Portal

O iG é a bola da vez da internet 
 
O mercado de internet vive a expectativa da venda do portal iG, controlado pela Oi. Um dos favoritos para levá-lo seria a gaúcha RBS, que já adquiriu uma série de sites especializados e até lançou uma empresa de compras coletivas. Também estaria na disputa o grupo sul-africano Naspers, sócio da Abril, dono do Buscapé e um dos símbolos do apartheid. Com o portal, o Naspers reforçaria suas posições nas áreas de comércio eletrônico e comunicação.
 
47.jpg
 
 
 
Software

Desfilando na praia alheia 
 
A fabricante de software paulista Synchro investiu neste ano R$ 8 milhões no desenvolvimento de novos programas para atender às mudanças de regulações fiscais brasileiras, como a emissão de nota fiscal eletrônica para prestadores de serviços e validador de CNPJ. Em São Paulo, a nota fiscal será obrigatória para serviços a partir de 2012. 
 
 
 
Recursos humanos

Itaú certifica funcionários
 
A Prepona Sistemas de Testagem e Avaliação, presidida pelo galês Marco Tyler Williams, foi a escolhida pelo Itaú para aplicar exames de certificação em nove mil profissionais do banco em todo o País até o final de 2012. Líder no Brasil na elaboração de provas informatizadas para aferir habilidades e conhecimentos de pessoas, a empresa atua em parceria com a FGV-Projetos, gestora da maior rede de centros de testes autorizados em todo o território nacional.
 
49.jpg
 
 
 
Energéticos

A maratona da Globalbev
 
O segmento de bebidas isotônicas está ganhando um reforço. Trata-se da embalagem de 200 ml do Marathon, marca da mineira Globalbev, que a adquiriu, em 2006, da Ambev. A nova linha é resultado de investimento de R$ 1,5 milhão e deverá colaborar fortemente para que o faturamento atinja o patamar de R$ 224 milhões neste ano. O portfólio da companhia inclui, ainda, o energético Flying Horse e a distribuição das batatas Pringles e da vodca russa Stolichnaya. 
 
48.jpg
 
 
 
O verdadeiro risco da França...
 
50.jpg
 
 
 
Curtas
 
A Pragma Patrimônio, do ex-Citibank José Guimarães Monforte, vai promover um encontro, em dezembro, em São Paulo, do professor Mark Gertler, da Universidade de Nova York, com intelectuais brasileiros. O evento é promovido em parceria com a FGV.
 
A criação do Imposto sobre Grandes Fortunas, em tramitação no Senado, foi considerado inconstitucional pelo tributarista Igor M. Santiago, que questiona o piso de R$ 2,5 milhões para os patrimônios sujeitos à taxação. “O valor de R$ 2,5 milhões corresponde à classe media alta no Brasil, não sendo nem de longe uma fortuna, muito menos uma grande fortuna”, diz.
 

Colaboraram Carlos Eduardo Valim, Ralphe Manzoni Jr., Rosenildo Ferreira

O WPP está de olho no Ibope

Nº edição: 732 | 14.OUT.11 - 21:00 | Atualizado em 18.Apr.14 - 11:28

A intenção da americana Nielsen de ingressar no mercado de medição de audiência de tevê no Brasil, área na qual o Ibope reina absoluto há décadas.

por Clayton Netz

Aquisição

A intenção da americana Nielsen de ingressar no mercado de  medição de audiência de tevê no Brasil, área na qual o Ibope reina absoluto há décadas, está sendo acompanhada de perto pelo grupo inglês de comunicação WPP, segundo uma fonte que conhece bem o setor. Sócia do Ibope em alguns negócios, com as divisões Ibope Media e Milward Brown,  a companhia do empresário britânico Martin Sorrell encontra agora um ambiente mais favorável para ampliar sua participação no instituto brasileiro de pesquisas, algo que já tentou em outras ocasiões. O raciocínio é simples: o Ibope poderia vender uma participação maior para os ingleses porque assim aumentaria seu poder de fogo na disputa contra a Nielsen. Controlador de um conglomerado de mais de 300 empresas no mundo, o WPP faturou US$ 14,4 bilhões em 2010.  
 
50.jpg
 
 
 
Vigilância no ar

Agora sem as mãos
 
A Somenge, empresa fundada no ano passado pelo engenheiro Gabriel Santiago de Mello, venderá no Brasil os veículos aéreos não tripulados (Vant) da belga Gatewing. Ela começou a negociar o modelo Gatewing X100, utilizado para mapeamento de terrenos, produção de imagens aéreas e controle de fronteiras. O lançamento acontecerá em novembro, em Cuiabá, devido ao interesse demonstrado por empresas do agronegócio. A expectativa é negociar dez equipamentos no evento. Cada um custa R$ 280 mil. 
 
51.jpg
 
 
 
Franquias

Retrô em São Paulo
 
Com sete lojas no Rio de Janeiro, e em Porto Alegre e Brasília, a carioca Liga Retrô vai abrir em novembro, sua primeira unidade em São Paulo. A marca, especializada em réplicas de uniformes de grandes times e seleções de futebol do passado, faturou R$ 5 milhões em 2010.
 
52.jpg
 
 
 
Diversificação

Massa para classe média
 
A massa mais famosa de Minas Gerais é o pão de queijo. Apesar disso, o grupo Domingos Costa, baseado em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, espera cavar seu espaço no segmento de massas artesanais. Para isso, está investindo R$ 9 milhões para lançar produtos com a marca Giuseppina – La Buona Pasta. A ideia é conquistar os consumidores da classe B, ampliando o leque de clientes da empresa, que cresceu focada na base da pirâmide, de onde obtém um faturamento de R$ 500 milhões. 
 
 
 
Varejo

Colombo nega venda
 
Volta e meia, o empresário gaúcho Adelino Colombo, fundador da Lojas Colombo de eletrodomésticos e móveis, é surpreendido com a notícia sobre a iminente venda da rede. O boato da vez é que o Bradesco teria recebido mandato para achar um comprador para a rede. Colombo nega.  Diz que seus contatos com o bancão se devem exclusivamente à financeira Crediare, na qual eles são sócios em partes iguais. Alheios aos boatos, ele segue firme no processo de profissionalização da empresa, que deve fechar o ano com crescimento de 15% com R$ 1,5 bilhão. 
 
53.jpg
 
 
 
 
 
Adivinha quem veio ocupar a Wall Street
 
54.jpg
 
 
 
Curtas
 
A Caixa Econômica Federal atingiu a marca de um milhão de clientes na faixa de pequena e micro empresa. Esse grupo, cujo teto de faturamento é de R$ 2,4 milhões por ano, representa 92% da base de clientes pessoa jurídica do banco. Até agosto, os empréstimos feitos pela Caixa para esse segmento haviam totalizado R$ 17,1 bilhões.
 
Os hermanos que comandam a Impsa não pretendem abrir mão da liderança na área de turbinas eólicas no Brasil. Para isso, o grupo argentino está dobrando, para 500 aerogeradores por ano, a capacidade de produção de sua fábrica situada no Complexo Industrial de Suape, em Pernambuco. 
 
 
 
Colaboraram Carlos Eduardo Valim, Clayton Melo e Rosenildo Ferreira

Magnata gaúcho desembarca no Uruguai

Nº edição: 731 | 07.OUT.11 - 21:00 | Atualizado em 18.Apr.14 - 09:34

Dono de uma fortuna avaliada em US$ 1 bilhão, o empresário gaúcho Ernesto Corrêa, dono da rede hoteleira Intercity, foi apelidado no Sul de Eike Batista ao contrário.

por Clayton Netz

Consultoria

Falconi quer crescer lá fora
 
O INDG, uma das mais influentes consultorias de gestão do Brasil, quer aumentar o número de contratos com empresas no Exterior. Atualmente, 15% de seu faturamento é de contratos com companhias que atuam fora do Brasil. Mas boa parte deles é com empresas brasileiras que têm filiais lá fora. O INDG, liderado pelo consultor Vicente Falconi, negocia acordos com consultorias estrangeiras para prestação de serviços de gestão em conjunto. Será uma forma de avançar mais rápido no mercado internacional.
 
60.jpg
 
 
 
Hotelaria

Magnata gaúcho desembarca  no Uruguai
 
Dono de uma fortuna avaliada em US$ 1 bilhão, o empresário gaúcho Ernesto Corrêa, dono da rede hoteleira Intercity, foi apelidado no Sul de Eike Batista ao contrário. Não apenas pelas tacadas certeiras, mas, principalmente, por seu estilo low profile, Na terça-feira 18, Corrêa verá um velho sonho sair do papel: a inauguração da primeira filial da Intercity fora do Brasil. O Intercity Premium Montevidéu consumiu R$ 10 milhões e está situado no sofisticado bairro de Punta Carretas, na capital do Uruguai. Com faturamento de cerca de R$ 100 milhões, a Intercity deverá investir outros R$ 400 milhões, nos próximos quatro anos, para triplicar sua rede dos atuais 17 para 50 hotéis. A lista de bens de Corrêa inclui ainda vastas extensões de terras, o banco Topázio e a GetNet, administradora de cartões de débito e crédito, além da mineração.
 
59.jpg
 
 
 
Telefonia

Parla più, brasiliani!
 
Mais uma operadora estrangeira de telefonia celular se prepara para disputar o mercado brasileiro. A italiana Wind, que no mês passado atingiu a liderança na Itália ao superar a Vodafone e a TIM em número de linhas, deverá brigar pela banda 4G, em leilão previsto para 2012, segundo fontes ligadas à companhia. Além do aumento dos gastos do brasileiro com telefonia, estão de olho na demanda da Copa do Mundo, em 2014, e da Olimpíada, em 2016. 
 
61.jpg
 
 
 
O adeus do homem da maçã
 
62.jpg



Investimento

Ares chineses no Brasil
 
A maior fabricante de aparelhos de ar condicionado do mundo, a chinesa Midea, pretende começar a produzir no Brasil a partir de 2013. A decisão se justifica. As vendas no País – que hoje  chegam a cerca de seis mil equipamentos por dia – triplicaram nos últimos 12 meses, principalmente no segmento corporativo. No mundo, a companhia produziu 15 milhões de aparelhos em 2011, deixando para trás sua maior rival, a também chinesa Gree.
 
 
 
Frigoríficos

JBS e Marfrig querem ficar juntos
 
Ainda são conversas muito preliminares. Mas, apesar das negativas, os dois maiores frigoríficos brasileiros estão mesmo conversando sobre a possibilidade de associações, vendas ou trocas de ativos para reduzir o peso do endividamento e aumentar a rentabilidade.O assunto foi abordado pelo presidente do JBS, Joesley Batista, numa reunião com o BNDES, que é acionista tanto do JBS quanto do Marfrig. O que está claro é que os frigoríficos estão mudando de estratégia e precisam aumentar o retorno para os acionistas, depois da frenética onda de aquisições nos últimos anos. 
 
63.jpg
 
 
 

Curtas
 
A fabricante americana  de motocicletas Harley-Davidson retomou o comando de suas operações no Brasil, em fevereiro passado, prometendo melhorar o serviço da marca. Oito meses depois, as queixas continuam: clientes da HD reclamam que peças de reposição chegam a levar mais de 120 dias para ser entregues.
 
Representantes de 70 empresas brasileiras estão participando  da edição de 2011 da Anuga, a maior feira de alimentos do mundo, em Colônia, na Alemanha. Segundo a Apex-Brasil, na última edição da feira, em 2009, os brasileiros fecharam US$ 970 milhões em negócios.
 
 
Colaboraram Hugo Cilo, Ralphe Manzoni Jr., Rosenildo Ferreira e Tatiana Baltzer
índice de matérias edições anteriores edições especiais assine a revista

© Copyright 1996-2011 Editora Três
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.