Edição nº 1028 21.07 Ver ediçõs anteriores

As vantagens da construção verde

As vantagens da construção verde

Construir de modo sustentável não é bom somente para a imagem das empresas. Financeiramente, é vantajoso. “As boas práticas reduzem substancialmente o risco para os investidores”, afirma Felipe Faria, diretor do Green Building Council (GBC), organização responsável por emitir no País o certificado Leed, que estabelece as melhoras práticas de construção sustentável.

É o que mostra um estudo realizado pela entidade comparando o desempenho de mercado dos empreendimentos comerciais certificados e não certificados. Na capital carioca, em média, o valor de locação por metro quadrado é 24% maior em edifícios com Leed: R$ 146, ante R$ 117. Em São Paulo essa diferença é de 10%.

Na região da avenida Faria Lima, que concentra grandes empresas, porém, a diferença chega a 40%. A taxa de vacância em prédios certificados é 7% menor, no Rio, e 9,5% menor, em São Paulo. Já o valor do condomínio, para quem não segue as normas do GBC, aumenta 12% na capital paulista e 25% no Rio. Isso se deve à maior eficiência das edificações.

Para obter o certificado, é preciso atender a critérios como economia de água e luz, climatização adequada e boa qualidade do ar. Isso pode ser obtido com elevadores inteligentes, painéis solares e materiais mais modernos, por exemplo. Nos dez anos de atuação do GBC no País, mais de 1,2 mil projetos foram registrados, o quarto maior volume do mundo. Desse total, 393 foram certificados.

DIN1005-sustenta2

(Nota publicada na Edição 1005 da Revista Dinheiro)

Mais posts

Os benefícios da economia social

A administração do presidente americano Donald Trump propôs uma redução nos investimentos em ajuda humanitária a países estrangeiros. [...]

Empregos renováveis

O total de pessoas empregadas no mercado de energias limpas chegou a 8,3 milhões, em 2016, segundo levantamento feito pela Irena, [...]

Risco hídrico

Até o final do ano, uma em cada quatro pequenas empresas no Brasil pode ser afetada pela falta d’água. A conclusão é de um levantamento feito pelo Sebrae. Os Estados da Paraíba, do Ceará, de Sergipe e do Espírito Santo são os que oferecem maior risco hídrico. Entre os setores, lavanderias, lava jatos, salões de […]

Ativista: profissão perigo

O Brasil é o País mais perigoso do mundo para ambientalistas, segundo ranking publicado pela ONG Global Witness. No ano passado, 49 [...]

A elite da poluição

Apenas 100 companhias foram responsáveis por 71% das emissões de gases do efeito estufa, no mundo, entre 1988 e 2015. A conclusão é de [...]
Ver mais