Economia

Arrecadação de PIS/Cofins em julho tem queda real de 4,07%, diz Receita

Mesmo com o aumento do PIS/Cofins sobre combustíveis no fim do mês de julho, a arrecadação desses tributos teve queda real na comparação com igual mês do ano passado, segundo dados da Receita Federal. O recuo foi de 4,07%, o que significa uma diferença de R$ 915 milhões a menos nos cofres do governo federal.

De acordo com o órgão, a receita com a Cofins caiu 4,57% ante julho do ano passado, para R$ 17,006 bilhões no mês passado, enquanto o PIS/Pasep recuou 2,15%, para R$ 4,564 bilhões no mesmo período. O resultado decorreu da combinação de três fatores: aumento das importações, redução no volume comercializado de serviços e maior volume de compensações do setor financeiro.

A arrecadação de PIS/Cofins com entidades financeiras lidera as perdas, com queda real de 38,81% em julho ante igual mês de 2016. Em valores absolutos, essas receitas diminuíram de R$ 2,806 bilhões no sétimo mês de 2016 para R$ 1,717 bilhão no mês passado.

O relatório da Receita Federal não detalha o desempenho do PIS/Cofins para combustíveis apenas no mês de julho. No ano, porém, essa fonte de receitas mostrou arrecadação de R$ 12,385 bilhões até julho, queda real de 10,87% ante igual período do ano passado.

As receitas com IRPJ e CSLL também tiveram resultado negativo no mês passado. A arrecadação ficou em R$ 18,11 bilhões em julho, queda real de 18,6% ante igual mês de 2016. Em termos absolutos, a perda nessa fonte de recursos foi de R$ 4,139 bilhões. Esse resultado, segundo o órgão, decorre basicamente dos menores pagamentos mensais por estimativas (com base no lucro presumido), principalmente de entidades financeiras.

Por outro lado, a Receita Federal detectou aumento na arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) sobre rendimentos do trabalho, com alta real de 12,42% em julho ante igual período do ano passado. Nessa mesma comparação, tiveram aumentos o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), exceto o vinculado, com avanço real de 16,36%, o Imposto de Importação e o IPI vinculado (alta de 10,62%) e as receitas previdenciárias (avanço de 0,37% acima da inflação).

O órgão registrou ainda alta nominal de 18,05% na arrecadação com loterias em julho ante igual mês do ano passado.