Edição nº 1024 23.06 Ver ediçõs anteriores

A economia do solo

A economia do solo

O mundo dos negócios precisa prestar mais atenção ao que acontece com um ativo importante, mas ignorado: o solo. Em artigo publicado na revista Nature, a ambientalista e professora da universidade de Lancaster, na Inglaterra, Jessica Davies, afirma que o risco da degradação e do desflorestamento extrapola o setor agrícola e a produção de alimentos. Muitos setores, como o têxtil e o farmacêutico, têm grande dependência de produtos de origem vegetal ou animal em suas cadeias, o que torna a boa gestão do solo, em escala global, uma questão estratégica para os negócios. Nesse sentido, a situação não é das melhores.

Um terço da superfície terrena e mais da metade do chão utilizado para agricultura sofrem moderada ou alta degradação, de acordo com número da FAO, agência da ONU para a agricultura. Anualmente, 12 milhões de hectares de solo, o equivalente a uma Bulgária, são danificados em decorrência da poluição, da urbanização e do uso intensivo. O risco para o empresariado também abrange a água, uma vez que a compactação excessiva da terra prejudica a absorção de água, aumentando a incidência de enchentes e secas. No ano passado, somente isso custou à economia global cerca de US$ 14 bilhões. Para diminuir essa exposição, Davies sugere uma parceria entre empresas e cientistas para o financiamento de pesquisas e de lobby em favor de regulações específicas para a preservação do solo.

DIN1010-sustenta2

(Nota publicada na Edição 1010 da Revista Dinheiro)

Mais posts

O poder de sedução de Gisele e os bilhões da Noruega

Na segunda-feira 19, o presidente Michel Temer anunciou, via Twitter, o veto integral da MP 756 e de alguns itens da MP 758. As duas [...]

Sem desperdício

A Rhodia desenvolveu um projeto para transformar resíduos de tecidos e peças descartadas em acessórios como anéis e armações de óculos, além de porta-copos, bancos e mesas, entre outros objetos de design. A iniciativa é uma parceria com a marca de lingerie carioca Monthal e inclui ainda a geração de renda e trabalho para mulheres […]

Natalidade indiana

Em aproximadamente sete anos, a Índia deve desbancar a liderança chinesa e tornar-se o país mais populoso do planeta. Em 2030, a [...]

Tanque cheio

Na terça-feira 20, gigantes petrolíferas americanas manifestaram seu apoio à instituição de um imposto sobre as emissões de dióxido de [...]

Triste marca

Um novo relatório da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) mostra que cerca de 66,5 milhões de pessoas foram forçadas a deixar seus [...]
Ver mais