Edição nº 1011 24.03 Ver ediçõs anteriores

A economia do solo

A economia do solo

O mundo dos negócios precisa prestar mais atenção ao que acontece com um ativo importante, mas ignorado: o solo. Em artigo publicado na revista Nature, a ambientalista e professora da universidade de Lancaster, na Inglaterra, Jessica Davies, afirma que o risco da degradação e do desflorestamento extrapola o setor agrícola e a produção de alimentos. Muitos setores, como o têxtil e o farmacêutico, têm grande dependência de produtos de origem vegetal ou animal em suas cadeias, o que torna a boa gestão do solo, em escala global, uma questão estratégica para os negócios. Nesse sentido, a situação não é das melhores.

Um terço da superfície terrena e mais da metade do chão utilizado para agricultura sofrem moderada ou alta degradação, de acordo com número da FAO, agência da ONU para a agricultura. Anualmente, 12 milhões de hectares de solo, o equivalente a uma Bulgária, são danificados em decorrência da poluição, da urbanização e do uso intensivo. O risco para o empresariado também abrange a água, uma vez que a compactação excessiva da terra prejudica a absorção de água, aumentando a incidência de enchentes e secas. No ano passado, somente isso custou à economia global cerca de US$ 14 bilhões. Para diminuir essa exposição, Davies sugere uma parceria entre empresas e cientistas para o financiamento de pesquisas e de lobby em favor de regulações específicas para a preservação do solo.

DIN1010-sustenta2

(Nota publicada na Edição 1010 da Revista Dinheiro)

Mais posts

Ética desvalorizada

O Instituto Ethisphere, entidade americana que promove a ética empresarial, publicou recentemente a sua lista das empresas mais éticas [...]

Luz na escuridão

A Schneider Electric, fabricante de equipamentos elétricos, lançou mais uma fase do seu programa de acesso à energia, que tem o objetivo de levar energia renovável à comunidades que vivem sem acesso à rede elétrica. Quatro Estados do Norte e do Nordeste serão contemplados: Maranhão, Paraíba, Pernambuco e Tocantins. Além de oferecer sistemas fotovoltaicos, o […]

Brasil quer o fim da corrida nuclear

A embaixadora do Brasil em Genebra, Maria Nazareth Farani Azevêdo, afirmou recentemente que o desarmamento nuclear é o tema prioritário [...]

Cidadão do mundo

O rio Whanganui, na Nova Zelândia, foi reconhecido pelo parlamento do país como uma “pessoa”. Formalmente, ele foi declarado como uma [...]

Google pede desculpas

O gigante da internet Google se desculpou com uma série de anunciantes no Reino Unido, como o banco HSBC, a rede BBC e o McDonald’s, após ter veiculado propaganda dessas empresas atreladas a vídeos no YouTube que apresentavam conteúdos racistas, homofóbicos e antissemitas. Algumas companhias chegaram a retirar seus anúncios do site. A empresa afirmou […]

Ver mais

Recomendadas

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.